Cordelirando...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Neste blog você encontrará alguns cordéis de Salete Maria, bem como notícias acerca de sua produção e seu diálogo com outros artistas
... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Lugar de Mulher, recitado por Salete Maria

quinta-feira, 3 de maio de 2012

MANIFESTO PELAS MÃES TRABALHADORAS

Minha mãe trabalha muito
Faz coisas que ninguém faz
Da madrugada à noitinha
Ela batalha demais
Cuida, resolve, alimenta
Limpa, guarda, incrementa
E ainda proclama a paz

Minha mãe há muitos anos
Não para um só segundo
É pau para toda obra
Seja no raso ou no fundo
Ela está sempre ajudando
Protegendo e ensinando
A melhorar este mundo

Minha mãe tem muitos filhos
E muitos netos também
Por isso ela ora muito
Porque dinheiro não tem
Para pagar tanta conta
Então ela fica tonta
Esperando o mês que vem

Minha mãe trabalha em casa
E também fora do lar
Ela labora calada
Sem jamais se lamentar
Acho que está cansada
Pois não é fácil a jornada
Que ela tem que enfrentar

Por isto que eu me zango
E não canso de dizer
Minha mãe não é escrava
Pra ralar até morrer
Portanto tem que mudar
Todos tem que se engajar
Em tudo que há pra fazer:
  
Vamos lavar nosso prato
Tênis, camisa e calcinha
Arrumar o nosso quarto
E regar nossa plantinha
Vamos evitar sujar
Ou então vamos limpar
A sujeira da cozinha

Colocar lixo pra fora
E ajeitar o quintal
Deixar a sala bonita
E preparar o mingau
Lavar calçada e banheiro
E economizar dinheiro
Etecetera e coisa e tal

Marido, filho e agregado
Neto, nora e visitante
Chega de exploração!
Acabem neste instante
Com essa velha mania
De sugar a energia
De minha mãe-tolerante

Tenham vergonha na cara
Deixem dessa opressão
Minha mãe é jóia rara
Pra viver lambendo o chão
Quero vê-la descansando
Passeando, proseando
Curtindo a vida então

Vocês todos ficam putos
Com político ladrão
Mas roubam até o sangue
Daquela que faz o pão
O arroz e a salada
A farofa, a carne assada
E o doce de mamão
   
Nem mesmo aquela loucinha
Vocês  ajudam lavar
Vocês pensam que mamãe
Nunca vai se enferrujar?
Um dia ela vai embora
Ou porque chegou a hora
Ou porque ela quer voar!

Se  exploração materna
Para vocês  é normal
Explorar outras mulheres
Será o seu manual
De regra de convivência
Que, com ou sem consciência,
Semearão, afinal

Então se você  tem mãe
E também tem consciência
Não explore, não oprima
Nem pratique violência
Mi hermana,  mi hermano
Mãe também é ser humano!
Até logo, tchau e bença!

Autora: Salete Maria, maio/2012

Imagem: Google Imagem