Cordelirando...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Neste blog você encontrará alguns cordéis de Salete Maria, bem como notícias acerca de sua produção e seu diálogo com outros artistas
... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Lugar de Mulher, recitado por Salete Maria

domingo, 27 de julho de 2008

Agora são outros 500 "Mentira tem perna curta"

Meu povo preste atenção
No que tenho pra falar
O que hoje é ilusão
Nós vamos desmascarar
Cinco séculos de opressão
Muita espoliação
Nada pra comemorar

Um português mentiroso
Diz que “achou” o Brasil
Para um Rei ambicioso
Escreveu um imbecil
Roubou flora, fauna e ouro
Deu espelho de consolo
A 22 de abril

Um bando de manoéis
Circulava por aqui
Com dedos cheios de anéis
Para índio seduzir
Joaquins e seus papéis
Nunca deram um só réis
Mas foram donos daqui

Um jesuíta otário
Veio nos domesticar
Nos índios botou rosário
Obrigou-os a rezar
Impôs língua e cenário
Mas nunca pagou salário
Pro nativo trabalhar

Colônia de Portugal
O Brasil foi muito tempo
Do produto tropical
Lembro-me neste momento
Começamos dando o pau
Este foi o nosso mal
Eta sorte de jumento!

Mas a história real
Precisa ser registrada
O nosso povo é leal
E tem a mão calejada
Nada mais será igual
“No país do carnaval
A sorte está lançada”

O Brasil endividado
O povo todo fodido
O patrimônio lesado
Por um ianque atrevido
O governo é safado
Se você ficar calado
Será também confundido

Colônia, somos de novo
Agora de americano
Mais uma vez nosso povo
Sofre e entra pelo cano
Vivendo só de teimoso
O salário é horroroso
E o governo é leviano

A rede Globo nos diz
Viva os 500 anos
E contagia o país
Sempre nos causando danos
Para a gente ser feliz
Donos do nosso nariz
Não bastam festas e planos

A direita no poder
Já mostrou que é incapaz
Monopoliza o saber
Desemprega sempre mais
Prejudica eu e você
Decide quem vai morrer
Mas fala em nome da paz

Conclamar trabalhador
É tarefa de quem luta
500 anos de horror
“Mentira tem perna curta”
Quero um historiador
Que conte o que se passou
Sem mascarar a disputa

Que distribua um milheiro
De panfleto por aqui
Falando de Conselheiro
Não esquecendo Zumbi
Louvando o povo mineiro
Enfim, todo brasileiro
Tiradentes vai sorrir

A história “oficial”
Só prejudica a nação
Contada por general
Marechal e capitão
Faz do povo serviçal
Dá-lhe trabalho braçal
Nega-lhe educação

É hora de decidir
A quem pertence o Brasil
“Mauditos” vão emergir
Em primeiro de abril
Poesias vão parir
Quem ousar nos reprimir
Vá pra puta que pariu

Liberdade de expressão
É preciso garantir
“Soberana é a nação
Cujo povo canta e ri”
Pra você que é cidadão
Outros 500 virão
Pra poder nos redimir

Particularmente acho
Que só a Revolução
Que não se faz só de macho
Libertará a nação
Vou me encontrar com o diacho
Deixo aqui meu esculacho
São mais 500, então.

Nenhum comentário: